• Please Wait . . .

Posted by : wagner elias 31 março 2014

  A light novel "No Game No Life" do brasileiro Yuu Kamiya ganhará um anime esse mês!

  Tenho observado que essa notícia levantou o ânimo de muita gente aqui no Brasil, mas não acho que hajam tantos motivos assim para comemoração da parte dos aspirantes a mangaká que veem nesse fato uma porta que se abre rumo ao mercado japonês. Digo isso porque o cara nem é tão brasileiro assim. Na verdade Yuu vive no Japão desde os 7 anos de idade e nem sequer sabe falar o português direito. Não estou desmerecendo o cara, afinal eu daria meus mais sinceros parabéns a ele por ter conseguido tal feito, mas eu também daria meus parabéns pra qualquer outro japonês que consiga conquistar espaço no competitivo mercado nipônico. Entretanto, o fato de um brasileiro conseguir fazer sucesso e conquistar um anime no Japão em nada muda a situação dos demais brasileiros que tentam fazer o mesmo.
Visto isso eu pergunto a você que ainda sonha em alcançar o seu lugar ao Sol nascente com seus dons quadrinhísticos:
vale a pena tentar?
  Antes que alguém comece um discurso sobre determinação, esperança e superação, vou deixar claro que não pretendo desestimular ninguém na sua jornada rumo ao outro lado do mundo. Porém muitos que alimentam esse sonho nem se dão conta das dimensões que envolvem alcançá-lo. Por outro lado eu prefiro acreditar que o oásis que procuramos está mais perto de nós do que a 18.553km.
  Antes de tudo veja essa matéria escrita por Sérgio Peixoto sobre as adversidades que você vai encontrar no caminho caso queira seguir essa laboriosa carreira internacional, e depois volte aqui pra gente continuar a conversa.
...................................


  Certo... agora que você já sabe das dificuldades de se tornar e se manter como mangaká no Japão, vou dar alguns motivos pelos quais você poderia preferir se aventurar por aqui mesmo.
  Pense bem, se você resolveu verter sangue pelos poros até conseguir uma oportunidade no mercado nipônico, agarre-se a ela, mas lembre-se que você estará fazendo pouca diferença na sociedade. Você será apenas um cara que foi trabalhar num país estrangeiro, e as editoras de lá não vão começar a se interessar pelos artistas daqui só porque você conseguiu. E você ainda corre o risco de ser cancelado e voltar de mãos abanando.
  Mas aí você me diz que o mercado nacional não abre as portas para os artistas e que quadrinhista não tem valor no Brasil e nhem nhem nhem blá blá blá etc. Sim, isso é verdade. Mas você acha que o mercado japonês sempre foi essa maravilha toda? Não, meu amigo. A explosão do mangá no Japão se deu lá pelos anos 20, quando o país se recuperava das dores da guerra. O mangá veio como uma forma barata de aliviar a tensão das pessoas. Mas o fenômeno mangazístico não se deu por conta simplesmente do baixo custo e fácil acessibilidade do produto não. O mangá alcançou tamanhas proporções no país porque era feito PARA O PAÍS. O povo podia se identificar nas páginas daquelas histórias que, mesmo fictícias, refletiam a realidade de cada um e também a situação social coletiva. Naquele período, após o fim da guerra, o povo precisava de algo que espelhasse sua condição de derrota e desejo de superação. Assim proliferaram os mangás de esportes que exploravam ao máximo esse tema, além de uma diversidade de outros temas que retratavam não a realidade de outros países mais "legais", mas sim a realidade chata do povo que, nas páginas desenhadas, ganhavam uma abordagem interessante com a qual qualquer um podia se identificar.
Até hoje os mangás são conhecidos por sua imensa diversidade temática - até mangá sobre pescaria você encontra

Agora pense comigo, se os mangakás daquela época resolvessem fazer histórias ambientadas no ocidente, com personagens americanos ou europeus, será que o mangá teria tido o mesmo impacto e atingido as proporções que tem hoje? Dificilmente.
  Voltemos à nossa realidade e vamos pensar sobre a mídia mais prolífera no nosso país.
...
Pensou? Isso mesmo, as novelas. Elas fazem sucesso porque retratam a sua vida, a minha, a do povo brasileiro. Ok, eu não gosto de novela, mas elas fazem sucesso com o público porque retratam a realidade do público. E mesmo que em alguns casos o diretor resolva tomar como base uma cultura diferente - como as novelas da Glória Peres que já utilizaram-se de diversas culturas orientais - o foco é sempre em personagens brasileiros e sempre se dá um jeito de brasileirizar o estrangeiro. Direcionando esse pensamento para o mercado de quadrinhos, pergunte-se, o que torna o nosso produto diferente? Se eu faço um mangá sobre uma colegial japonesa chamada Sakura, ou sobre um samurai renegado em busca de vingança, ou sobre um jovem ingênuo que luta artes marciais, não vai apresentar nada de diferente, então o leitor vai chegar na banca e ver um "Naruto", um "Rurouni", um "Guerreiras Mágicas". Diante de tantos títulos japoneses o meu Samurai Seiláoque vai ser só um mangá genérico feito no Brasil, nada mais que isso. Por mais que você diga que tem conhecimento da cultura japonesa e sua história é super original, as pessoas que se interessam pela cultura oriental vão sempre preferir material produzido pelo oriental.
Faça um mangá que se destaque no meio desses aí
  O que quero dizer com isso? Que talvez a culpa de o quadrinho nacional ainda não terem atingido um status respeitável no nosso país não seja totalmente das editoras. Afinal, será que a Shonen Jump publica tantos mangás só porque ela é boazinha e dá oportunidade para os artistas por pura generosidade altruísta? Mas de jeito nenhum! Se os mangás não fossem lucrativos a editora publicaria revista de maquiagem, moda, fofoca, pornô ou qualquer outra coisa que lhe rendesse lucros.
  O que tá faltando no Brasil não é oportunidade, mas qualidade e, principalmente autovalorização cultural. Se você está fazendo quadrinhos pensando em inserir a cultura japonesa só porque você gosta de mangá, então continue tentando a utópica carreira nipônica. Entretanto, talvez se você começar a ver que nossa cultura é tão rica quanto a deles e tentar abrir os olhos para a realidade social em que o povo brasileiro vive, talvez possamos demonstrar um diferencial no mercado. Talvez possamos capturar um público maior do que uns poucos apreciadores da cultura japonesa que querem dar uma chance para o autor brasileiro. Talvez possamos dar início a uma futura explosão do quadrinho nacional.

  Agora uma notícia que me animou bastante esse fim de semana: 


Enfim  YuYu Hakusho de volta ao Brasil!

Três vivas para a JBC!!!
Eu disse, três vivas para...
                            ah, esquece.

{ 38 comentários... read them below or Comment }

  1. muito bom texto, é incrivel que tem pessoas que anão acordaram pra essa realidade ainda

    ResponderExcluir
  2. rapaz acho muito mais fácil entrar para o mercado de quadrinhos americano (que conheço até gente pessoalmente do maranhão que entrou do que o japonês),como você disse o cara vive no japão dês do 7 anos e é considerado um deles,os japoneses são extremamente xenofobistas e racistas (isso mesmo!),eles ainda consideram as outras etnias inferiores ao glorioso povo japonês (isso inclui até outros orientais),já os americanos aceitam desenhistas e pasmem até escritores brasileiros em seus mercados dos anos 80,mas a explosão se deu nos anos 90 e atualmente só tem aumentado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, trabalhar para os Estados Unidos é bem mais fácil. Embora saibamos o porquê deles gostarem de contratar brasileiros de vez em quando: mão de obra boa e barata. Mas, mesmo assim, acredito que um dia haverá um mercado consolidado no Brasil de artistas brasileiros que produzem para brasileiros.

      Excluir
  3. Outra coisa que muitos aspirantes a mangaká, como eu, independentes de qualquer instrução profissional, não sabem é que: a não ser que você seja parente ou casado (a) com um japonês, você não tem a mínima permissão para morar no Japão, tbm tem o motivo de trabalho, porém, no japão, mangaká não é considerado profissão. Então, a não ser que você case com um alguem de descendência japonesa, voce não vai poder morar no japão para desenhar mangá, essa é uma coisa que me deixou arrasado, faz 3 dias que eu nem enconsto no meu lápis pra desenhar, simplesmente por não saber o que fazer, levantar e lutar (como os mangás me ensinaram)? Seria bom, se fosse possível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso aí, você disse tudo.
      Mas quem quiser tentar vá em frente né?

      Excluir
    2. e se fizesse o mangá d brasil enviasse todo mes para o japão eles publicavam e vriavam o anime
      e ainda da para ir por estudo

      Excluir
  4. O quadrinho que pensava fazer era assim, utópico, mas com a exeriência (pouca) que tive, percebi que aqui no Brasil existem muitas cuituras interessantes, desde lendas, esportes (é, aqui tem muitos esportes além do futebol) e muitas outras temáticas pra se ambientar. O problema dos jovens quadrinhistas é que quererm apenas desenhar umas histórias aqui e ali e ficar famoso e conhecido. Não pensam em uma obra que tenha apelo comercial e que seja altamente vendável. Isso acontece no Japão, os mangás são escolhidos e até pensados pra vender produtos, desde bonecos a mousepads.
    Enfim, pensar no quadrinho como produto e não como sonho, deve facilitar sua entrada no mercado tão difícil das editoras. E desenhar um mangá inteiro nem um mês é impossível sem assistentes e sem levar alguma sequela na saúde.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muitas culturas mesmo. É só saber usá-las da maneira correta. Em breve estarei mostrando algumas dicas de como fazer isso.

      Excluir
  5. Olha, eu tenho como sonho fazer um mangá que as pessoas apreciem... não sei se ele um dia pode ser produzido numa Jump semanal da vida, ou ficar apenas em um site meu livre pra todos verem... mas não acho que alguem que sonhe em desenhar mangás deve sonhar onde vai desenhar, nem quanto vai ganhar com isso... mas pelo que to vendo o pensamento de criar o próprio mangá está baseado nas revistas e produtoras famosas...

    Bom... no japão, se for do mesmo modo que aprendi lendo bakuman... "Para um mangá ser serializado, ele só precisa ser interessante" Ou seja, uma história original e bem desenhada vai fazer sucesso lá... seja você Brasileiro, Nihonjin ou o que for... se você chegar la com um mangá que eles achem interessante, eles não vão confirmar sua nacionalidade antes de pensar em produzir! mas se você quer vender mangá pra japoneses, vai ter de falar japonês e morar lá de algum modo, e sobreviver de alguma forma enquanto você ainda é um "Apostador" uheuhe

    Em fim... Eu vou ser mangáka, vou criar minha obra... e vou tentar transmiti-la para o mundo de alguma forma... não sei como ainda, mas quando eu tiver competência pra desenhar continuadamente, e tiver uma história que façam as pessoas se interessarem pode ter certeza que dai, vão ouvir o meu nome...

    Acho que esse é meu sonho, criar um bom mangá! e não ser um profissional dos mangás! tem diferença nisso ai! XP

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bakuman não é a melhor fonte de informação se você quiser entender o mercado japonês, meu amigo. Embora seja um mangá sensacional, como toda boa ficção, tem lá suas fantasias. Ou você acha que CSI retrata as investigações criminais como elas realmente são?

      Excluir
  6. Fantástica esse texto.Em vez de me desanimar só fez me exaltar para realizar o meu sonho ,mas em vez de ir ao Japão vou é fazer manga aqui mesmo no Brasil.Só não entendi como transmitir a cultura brasileira para o manga...tem como dar um exemplo?Obg

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. mano eu tenho um mangá que tem forte influencia das lendas amazonicas

      Excluir
    3. Olá Renan. desculpa não ter te respondido antes. Obrigado pelos elogios, fico feliz por ter sido útil. Se você tiver interesse em incluir a cultura brasileira em suas histórias, leia a matéria que publiquei aqui em 3 partes onde eu abordo esse tema detalhadamente: http://gibitales.blogspot.com.br/2014/05/mitologia-nacional-para-quadrinhos.html

      Excluir
  7. Na minha opinião, o post tem varias verdades PORÉM parece mais que voce desistiu do proprio sonho e está tentando levar pessoas com voce. Eu já pensei nisso, e pra conseguirmos algo aqui precisamos de mais pessoas interessada ou no caso desinsteressadas/desiludidas pelo sonho de ir pro japão. Mas deixe-me dizer, voce ainda PODE SIM ir pro japão, mangaka não é considerada uma profissão? pode até ser PORÉM, voce ainda pode trabalhar em qualquer merda pra se manter e tentar ser serializado. obviamente, é uma aposta estupida, que depende do seu "talento", depois de ser serializado voce poderia até conseguir um visto pernamente por contribuir com a cultura deles etc.. é normal pessoas conseguirem vistos com algo parecido..

    Confesso que o seu post me balançou um pouco, fiquei com vontade de fazer algo por aqui já que eu tenho uma historia baseada 100% na nossa situação.. mas é impossivel apostar no brasil, ninguém aqui tem costume de ler, só querem saber de putaria e novela, quem acredita num lugar assim?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. bom, acho que você interpretou mal o meu post, meu caro Kaique. Não tenho nenhum interesse em evar pessoas comigo pra lugar nenhum. Pelo contário, acedito que o Brasil é um país promissor de pessoas que podem se tornar leitores de quadrinhos. Gostar de novelas e putaria não torna a cultura brasileira pior do que qualquer outra.. As pessoas gostam de novelas porque elas contam o cotidiano (mesmo que de forma fictícia), assim como no Japão os mangakás contam histórias inspiradas no cotidiano japonês. E, não sei se você já notou, mas os mangás estão cheios de putarias. Inclusive, a putaria foi a grande responsável pelo declínio do mangá no Japão desde 1996. Mas isso não faz do mangá uma cultura melhor ou pior do que a do Brasil. O objetivo dessa matéria não é fazer você perder suas esperanças, mas fazer você enxergar num plano panorâmico que te possibilite contemplar um espaço virgem, que está esperando por você para ser explorado. Mas se você quiser continuar mirando no mercado japonês, desejo-lhe boa sorte.

      Excluir
    2. aliás, desculpa a demora em responder

      Excluir
  8. Eu Tbm tenho um sonho de me torna um mangaka e não vou desistir até realizar o meu sonho e acredito q um dia o meu mangá vai destaque no japão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei muito do seu comentário *^* , muitas pessoas (Até eu) me desanimei lendo a materia

      Excluir
  9. Confesso, quando li isso me desanimei um pouco com o meu sonho de ser uma Mangaká, mais eu acredito que ainda vai aparecer alguem que consigua mudar a nossa situação e que prove que até mesmo os brasileiros podem fazer um mangá.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é impossível fazer mangá, eu ganho a vida desenhando quadrinhos e o estilo mangá tem sido predominante em meus trabalhos, em breve estarei lançado um E-book explicando isso.
      O que muda é que o brasileiro precisa enxergar ou até criar suas próprias oportunidades e não copiar modelos que apenas funcionam lá fora.
      http://faglakencomics.blogspot.com.br/

      Excluir
    2. Oi Kesly, tudo bem? Fico feliz que você nutra esperanças, isso é bom. O objetivo desse post não é minar esperanças, mas apresentar a realidade aos que ainda não se depararam com ela. E, acima de tudo, mostrar que vivemos no país promissor, que o Japão não precisa se o único alvo. temos um povo aqui em nosso país, pessoas que podem sim se tornar leitores de quadrinhos, sejam mangás comics ou o que for, mas que sejam feitos por nós.

      Excluir
  10. entendo seu port entendo que vc quer abrir os olhos dos que estão iludidos com a relidade no japão mais não vou desistir do meu sonho de ser mangaka .. kero publicar meu manga estou trabalhando a historia para não ficar aquele ar de não entendi isso não fez sentido , criando os personagens trabalhando a historia , eu nunca achei que seria facil e vcs tambem acham que tudo vai vir de mão beijada? hã? acha que a editora vai ir na sua casa e pedir para publicar o seu manga? eu não vou deixar de acreditar no meu sonho pq eu acredito em min e sei que sou capaz .. como disse o Natsu'' vai ser divertido começar de la de baixo e chegar ao topo ''
    e vcs ai se ficaram com medo de um post imagina das dificuldades que vão enfrentar no japão .. e seu personagen favorito lembra dele? ele é teu personagen favorito pq ele tem medo de serguir em frente , tem medo de arriscar , tem medo de um post? ou pq eles dizen não to nem ai e vai com a cara e a coragem ? claro que a nossa realidade é diferente (mais o proposito é o mesmo) mais se vc pensar bem eles te enfluenciam a não ter medo de nada a não ter medo de arriscar comcordam comigo?
    gente não desista do seu sonho e faça dele a sua realidade
    e não se esqueça de um fato importante
    um anime ou mangá de boa qualidade é aquele com uma historia e um contexto bem nitido não se baseem em animes os mangas crien a sua propria historia pra vc não ser apenas um plagio como muitos que se ve por ai
    naruto dragon bal fairy tail one piece e outros classicos se tornaram classicos
    pq tem historias e personagens diferentes e ve se algun deles é referencia a algm outro anime pensa nisso que eu disse quem sabe seja util bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. concordo também é meu sonho e ninguém pode desistir tão facil e passar a vida infeliz eu tive uma idéia enquanto a emigragem no japão se quiser me add no facebook eu te falo minha ideia e quem mais quiser lucas vellini

      Excluir
    2. O inportante e tentar nao quero passar minha vida inteira pensand,nossa se eu nao tivese desitido,ou tentado ir ate o fim,eu nao sei o q eu vou enfrentar mais pra frent mais sei de uma coisa nao vou desistir e nos momentos de dificuldade vou pensar no meu heroi de manga predileto e pensar no q ele faria o meu e o naruto ou seja como ele eu nao desistirei ja estou criando o meu manga e uma historis unica e q se junta com um outro manga que estou criando personagens e nomes unicos.entoa nao me importa quantas vezes a vida me bata pois sei q nao vai ser facil mas tambem nao vou aseitar e ficar com a cara no chao

      Excluir
  11. Gostei muito do texto, e é de fato muito real, já tive e ainda tenho o sonho de poder lançar um mangá no Japão um dia.. em meio a realidade vi que não era tao simples sustentar esse sonho, e se você quiser viver tem de se virar da maneira que pode, faço mangá há 8 anose trabalho com isso, já participei de concursos nacionais de mangá, como internacionais também, incluindo da Shonen Jump, meus mangás estão disponíveis para leitura no meu site e aposto no mercado brasileiro,fiz um artigo com esta temática também, e acabei descobrindo este seu, onde procuro esclarecer que não é impossível, porém é uma tarefa que cobra um preço alto e muita sorte, e acredito que possa interessar alguns aqui que também tem o sonho de se tornarem mangakás, independente do país.
    http://www.instintomangaka.com/mercado-brasileiro-de-quadrinhos-manga/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Li sua matéria lá e gostei muito, deixei um comentário lá, ok. :)

      Excluir
  12. Muito boa a matéria, parabéns é a primeira vez que visito o blog e dei de cara com uma matéria bem elaborada como essa, eu sou autor e ilustrador de quadrinhos e o estilo mangá tem sido predominante em meus trabalhos. Assim como vc citou na matéria, eu acredito que haja um espaço no Brasil sim, mas acho que o brasileiro muitas vezes é quem não enxerga as possibilidades.
    http://faglakencomics.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado por ter lido. demorei te responder porque fiquei um bom tempo fora do ar (sem dinheiro pra pagar a net hehe). mas, valeu e boa sorte em seus trabalhos. dei uma olhada e achei muito boa a tua arte, parabéns!

      Excluir
  13. Cara, você apresenta verdades em seu post, porém sabemos que não é impossível conseguir ir para o japão (de certa forma) e se estabilizar a tempo, basta que ganhe experiência em território nacional para que se arrisque lá fora, não adianta a conversinha de "Quadrinhos nacionais", jamais a indústria de mangás de mangás japonesas ou comics norte-americanos vai perder para quadrinhos nacionais, não é apenas um brasileiro mangaká lá no japão, se você pesquisar bem na verdade existem dois ( nossa que diferença :v) porém eu não preocupo-me em arriscar em algo que possa trazer experiências de vida e assim retratá-las de forma mais exposta e verídica, ainda vou tentar e quem sabe relatar algo mais concreto. :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luan, o que você diz não anula o que eu falei nesta matéria. Em nenhum momento eu afirmei que seria impossível investir em uma carreira em terras japonesas. Pelo contrário, deixei bem claro desde o início do texto que a minha intenção é apenas mostrar o quão difícil é essa carreira, e que temos um mercado ainda virgem aqui no Brasil. Lembre-se que houve um tempo em que o Japão não levava o mangá a sério. Foram os artistas que se valorizaram e assim mudaram um mercado que, até então, era dominado pelos americanos (do mesmo modo que os comics já tiveram seus dias ruins). Alguns japoneses chegaram a sair do seu país para tentar uma carreira nos Estados Unidos, mas mesmo conseguindo esta proeza, estes não mudaram nada. Apenas se tornaram mais um artista estrangeiro bem sucedido. Quem causou mudanças significativas foram os artistas que se mantiveram em seu país lutando por sua arte e assim abrindo as portas para um mercado que hoje está consolidado. Nós brasileiros temos a tendência de achar que a grama do vizinho é sempre mais verde. Se você conseguir depois de muito esforço consolidar sua carreira no Japão, o máximo que você poderá dizer para seus netos é que você é um artista bem sucedido. Mas se você lutar hoje pela consolidação do mercado nacional (que não, não é impossível) você poderá fazer parte dos que fizeram a mudança.

      Excluir
    2. Além disso, você falou que "jamais a indústria de mangás de mangás japonesas ou comics norte-americanos vai perder para quadrinhos nacionais". Ao dizer isso você desvaloriza o esforço de tantos artistas que estão trabalhando duro hoje por um futuro diferente. Você não leva em conta os esforços dos artistas japoneses que continuaram produzindo mesmo em um mercado pouco promissor. E mais, nosso objetivo não é ganhar do mercado japonês ou americano. nosso objetivo é apenas consolidar nosso mercado. Ter obras que possam rivalizar com as estrangeiras. Isso não é um pensamento utópico nem absurdo. É muito mais real e frutuoso do que se tornar um artista bem sucedido em terras estrangeiras. Mas, repito mais uma vez, quem quiser investir nessa carreira, vai em frente que você consegue.

      Excluir
    3. A questão de dizer jamais, refiro-me aos leitores, quem não adoraria trabalhar em quadrinhos mesmo em sua terra? pois é, mas os leitores tanto como o mercado não quer adquirir o material nacional por valorização do estrangeiro, se algum dia mangakás brasileiros alcançarem a meta de viver de mangás no Brasil, é de comemorar mas serão escassos e quem sabe será um tiro no fio de náilon, vocÊ pode até acertar uma vez e os leitores gostarem, mas pra acertar outra vez...hm...isso demora pra acontecer entende? Seria ótimo que houvesse essa explosão e adoção do material nacional mas isso alguém vai ter que mudar e não vai ser nada fácil.

      Excluir
    4. Olha só, você alega que publicar no Brasil é difícil e que o mercado é escasso, que consolidar um título demora muito e tal. Você não acha que é muito contraproducente você dizer algo assim? Logo você que tanto defende a carreira no exterior! E pior, uma carreira no JAPÃO, um país onde o mercado quadrinhistico é tão competitivo que publicar uma obra e consolidá-la é tarefa difícil até mesmo para os próprios japoneses! Você pode até decidir seguir uma carreira no Japão, mas não tente justificar sua decisão alegando que o mercado no Brasil é muito difícil. O título desse post é: "Quer publicar no Japão? Vai nessa!" Sim, vai mesmo, dou todo meu apoio. Mas vá com responsabilidade e com a consciência de que o caminho será difícil. Assuma seus riscos e provavelmente terá sucesso.

      Excluir
  14. Posso dizer que isso aí é mesmo a realidade verdadeira e que ler isso fez quase eu desistir de fazer qualquer coisa.mas eu entendo Wagner Elias que vc está apenas mostrando a verdade para a pessoa depois não ficar iludida achando que irá conseguir assim facilmente.para eu nao ficar aqui pra baixo sem esperança e com risco de depressão poderia mim responder falando mais sobre a ir de publicar um mangá aqui no Brasil porque eu tô boiando aqui e sem ideias sobre essa sua proposta.

    ResponderExcluir
  15. No Brasil infelizmente as pessoas não gostam de ler, é uma questão de princípios, o brasileiro assiste a novela que retrata traição, drogas e futebol ( a vida da grande massa ), e o japonês nasce vendo mangá, não que retrate sua vida mas sim as lições sobre nunca desistir, vivências completamente diferentes esse é o único motivo pelo qual até hoje 2016 é quase impossível ser mangaka no Brasil, ao contrário do que pensam mangaka é quem vive de mangá e não quem pública uma vez e desaparece, agora se aqui as chances de se tornar um mangaka famoso são de 0.00000001 e no Japão são de 0.00000002 vale a pena arriscar anos da sua vida por um sonho de infância. Eu tenho que admitir que o texto apesar de retratar a realidade é bem desmotivador, pra falar a verdade eu nunca vi um brasileiro "mesmo" ser publicado na jump, então por que não tentar? A força de vontade pode levar pessoas a lugares que ela nem imaginária.

    ResponderExcluir
  16. Obrigado por esta postagem, adorei de verdade. Mostrou a dura realidade que enfrentamos, e obrigado novamente: por abrir meus olhos e alimentar meu sonho de ser mangaká!

    ResponderExcluir

Bem Vindo

Divisão 5

Divisão 5
Compre agora

Leia

Parceiros

O que rola no Catarse

Quantas pessoas perderam tempo acessando essa página

Gostei

Seguidores

Muita gente viu isso aqui:

Tecnologia do Blogger.

- Copyright © Gibitales -Robotic Notes- Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -